Mulher grávida é alertada pelos médicos para realizar o aborto do seu filho.

Os médicos alegavam que ele nasceria doente e que seria diferente de todas as outras crianças.

Uma triste história de preconceito aconteceu na vida de uma mulher chamada Veronika Semchenko. Ela descobriu que estava grávida de seu segundo filho, então ela resolveu ir ao médico para que as primeiras providências fossem tomadas. Ela esperava que os médicos a auxiliasse na sua saúde e na saúde de seu bebê durante a gravidez. Porém, depois de alguns meses, nos primeiros ultrassons, os médicos começaram a falar que o bebê possuía uma doença e por isso nasceria diferente de todas as outras crianças.

No início, Veronika ficou triste pela noticia, porém com o passar do tempo ela viu que nada estaria perdido e que seu filho poderia ser uma pessoa normal, assim como as outras. Ela já estava feliz e confiante em sua gravidez, mas quando foi ao médico ficou horrorizada com a atitude do profissional. O médico disse a ela para realizar o procedimento de aborto, pois seu filho nasceria com Síndrome de Down e segundo o homem, o bebê nunca conseguiria se tornar uma pessoa comum devido a este problema.

A mãe se negou a realizar o aborto, inclusive depois da opinião do médico ela nunca mais voltou em seu consultório, pois seu filho não merecia ser acompanhado por uma pessoa com tanto preconceito. Veronika passou sua gravidez com muito cuidado e tudo ocorreu da melhor maneira possível. Ela ganhou o seu bebê, que foi chamado de Erofey.

Em sua rede social, a mãe contou a triste história pela qual ela passou durante a gravidez, contou sobre o médico preconceituoso no qual ela frequentava e das duras criticas que recebeu por outras pessoas por não realizar o aborto. Porém, ela estava muito feliz pela decisão que tomou. Além disso, ela postou varias foto do filho recém-nascido e disse que ele era seu maior orgulho, juntamente com o resto de sua família, e também disse que faria de tudo para acabar com esse triste preconceito que existe até os dias de hoje em nossa sociedade.

 


LEIA TAMBÉM
loading...

Comentários

Compartilhar